fbpx

Data: 21/03/2014

Um par de binóculos, uma dose de paciência e – mais importante – silêncio. “Porque elas conseguem ouvir-nos”, garante o guia. Escondidos no observatório junto à lagoa Principal, apontamos os binóculos às janelas que dão para as pequenas ilhas cobertas de vegetação. Aninhados à beira da água, casais de patos-colhereiros, marrequinhas e alguns exemplares de perna-vermelha aproveitam o sol da manhã. Se sabem que estamos ali, a poucas dezenas de metros, não parecem importar-se com isso.

Notícia proveniente de fonte externa

Há um refúgio para as aves que descansam no Tejo mesmo às portas de Lisboa

Partilhe esta Notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Créditos da Notícia

Outros Conteúdos